Colégio – Nossa História

Apresentação

O Colégio Nossa Senhora das Graças teve a sua origem no Benfica, com a denominação de Ginásio Americano.

Em 1950, as Religiosas da Congregação das Filhas do Coração Imaculado de Maria – as Cordimarianas assumiram a direção do Colégio. Em 11 de fevereiro de 1958, transferiram-se para o bairro de Fátima, a fim de atender as necessidades da infância e da juventude de um bairro que nascia sob as bênçãos da Virgem de Fátima.

Hoje, o CNSG é uma realidade nos meios educacionais de Fortaleza. Conjuga no seu cotidiano a firmeza de uma formação integral e a ousadia de novos métodos, recursos e conteúdos,
tendo como objeto a promoção humana nas suas dimensões científica e espiritual, ética e estética.

O Colégio é, enfim, um lugar de desenvolver plenamente competências, habilidades e atitudes e estimular a competição qualitativa, a identidade e a responsabilidade social.
É esse o seu compromisso. É essa a sua realização.

Fundador – Uma Trajetória de Vida, Amor e Profetismo

Uma presença surge de uma semente lançada no Norte do Brasil pelo jovem belga Pe. Júlio Maria De Lombaerde.
Pela determinação, fé e coragem, Pe. Júlio Maria, na fidelidade aos apelos que ressoavam em seu coração generoso, funda, em 21 de novembro de 1916, nos recônditos da Amazônia, em Macapá, em meio à indústria da miséria e da exclusão, a Congregação das Filhas do Coração Imaculado de Maria: as “Cordimarianas”.

Ela nascia “pequenina, na humildade, na pobreza, sem intervenção nem de ricos nem de poderosos”. Ela nascia para propagar o culto ao Coração Imaculado de Maria. Ela nascia em forma de catequese para dizer às crianças e jovens que é possível abrir caminhos.

Ela nascia em gestos simples de solidariedade com os mais carentes… Ela nascia através da sensibilidade, do calor humano, acolhendo idosos, doentes… Ela nascia para minimizar a exclusão de pequenos, jogados nas ruas, indefesos e sofridos…

Ela nascia em forma de casa simples, aconchegante, em meio a carteiras, livros, cadernos, textos, sorrisos, cansaço, coragem, contradições… Escola Santa Maria – 1ª Centelha da Educação Cordimariana.

Movido por um impulso interior fortíssimo Pe. Júlio Maria de Lombaerde, ousa levar esperança a todos aqueles necessitados.
Semear… educar… expandir-se… sofrer… Evangelizar… Missionário, ele segue seu próprio caminho. Homem de um século novo… Homem de um paradigma novo!

E a esperança, surgida em Macapá, se fez concreta e “veio habitar entre nós” cedendo lugar a outros espaços da Esperança na Educação.
É a razão de ser do Colégio Nossa Senhora das Graças, que há 60 anos se dedica à educação da infância e juventude cearense.

Hoje, o Colégio é dirigido pelas Religiosas Cordimarianas Irmã Lucila Porto, Irmã Letícia Dias, Irmã Iraídes O. Gomes, Irmã Disterro Rocha e Irmã Nara Rodrigues.

Congregação – Histórico das Filhas do Coração Imaculado de Maria

A CONGREGAÇÃO DAS FILHAS DO CORAÇÃO IMACULADO DE MARIA, segundo a narração do seu próprio fundador – Padre Júlio Maria de Lombarde, “nasceu pequenina na humildade, na pobreza, sem intervenção nem de ricos nem de poderosos”.

Padre Júlio Maria – missionário belga ao ser enviado para o Brasil, num momento de oração para escutar os desígnios de Deus, decidiu-se a fundar uma Congregação Religiosa, inspirada na vida de Maria.
Chegando em Macapá, questiona-se sobre seu projeto perante a realidade sócio-cultural, econômica e religiosa da cidade.

Após ter ele fundado a Associação das Filhas de Maria, algumas jovens desejaram o ingresso na vida religiosa. – As vocações que surgiam, as necessidades de religiosas para a missão e o apelo pessoal de fundar um Congregação deram ao Padre Júlio Maria a certeza de que a hora de Deus chegara.

Muitas vezes falara de seu projeto para D. Amando Bahlman – Bispo de Santarém – Pará – que talvez percebendo a impossibilidade de sua realização, não interfere nos planos do vigário, do fundador.
Padre Júlio Maria marca com o bispo um encontro em Belém, para ultimar a fundação do Instituto Cordimariano.

O bispo não se faz presente na hora prevista e Padre Júlio Maria toma a iniciativa de organizar a cerimônia de fundação. – Quando Dom Amando chega, percebendo que tudo está preparado, opõe-se radicalmente.
O missionário justifica-se, dizendo ter querido somente a glória de Deus, mas está disposto a enviar as candidatas para suas famílias, caso fosse esta a vontade da autoridade diocesana.

O bispo se acalma, reflete e diz que, fechando os olhos à fundação Cordimariana, permitirá a obra e, no futuro, verá o que fazer.

A Congregação estava fundada.
ERA O DIA 21 DE NOVEMBRO DE 1916 – FESTA DA APRESENTAÇÃO DE MARIA.